Cocriação de Diretrizes
[Cocriação e Participação]
Cachoeira do Sul — 2017


Em uma parceria entre o TransLAB.URB e o Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFSM-CS, foi oferecida a oficina chamada “Cocriação de Diretrizes para Territórios de Interesse Público”, que consiste em uma metodologia que busca criar, de maneira conjunta com agentes da Sociedade Civil, Academia, Iniciativa Privada e Administração Pública, uma camada "sensível" de diretrizes complementares aos programas de projeto, que geralmente são fornecidos pelos tomadores de decisão, contemplando apenas informações de caráter quantitativo. Neste caso específico trabalhamos na área central da cidade, na região dos Engenhos abandonados.



Processos de Cocriação
Atividades externas de ativação e exploração lúdica do território, além de consulta e participação da sociedade


As dinâmicas e exercícios propostos envolveram representantes de todos os setores da sociedade, reunidos nos ateliês da UFSM-SC.



Contexto e Estrutura

O Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFSM-SC promoveu a 1ª Oficina Transdisciplinar, nos dias 29, 30 e 31 de Maio, 01 e 02 de Junho, com o tema “Traços do Abandono”, no intuito de aproximar a Academia, da população e de todos os debates acerca dos antigos Engenhos de beneficiamento de arroz, localizados na reginao central da cidade que, em grande parte, encontram-se em estado de abandono.

Numa lógica de “abertura de processos”, os dois primeiros dias foram orquestrados pela equipe do TransLAB.URB, convocando todos os setores da sociedade para construirem as diretrizes que, nos outros três dias, seriam o ponto de partida para uma “Maratona de Projeto”, cujos resultados seriam expostos e apresentados para a população, buscando mobilização e posicionamento principalmente da Adminsitração Pública.

Estes dois dias iniciais foram divididos em 4 turnos, e ao longo de 16h foram apresentadas diferentes metodologias, técnicas e ferramentas para o levantamento e análise de dados, oriundos de diferentes áreas do conhecimento, como Psicologia, Sociologia, Antropologia, Placemaking e Inovação Social.

Equipe:

  • Livia Cravo Lerch
  • Fausto Isolan
  • Leonardo Brawl Márquez
  • Mario Prati
  • Rafael Knebel

Estratégias

A metodologia foi trabalhada em dois dias, com a seguinte divisão:

DIA 29 - RECONHECIMENTO GRUPO > RECONHECIMENTO LOCAL > RESULTADOS
- Foco no levantamento de “dados sensíveis”, informações qualitativas do espaço, percepções e sensações do grupo de trabalho.

DIA 30 - CO CRIAÇÃO GRUPO > CO CRIAÇÃO RUA > ORGANIZAÇÃO > RESULTADOS
- Foco no levantamento das expectativas e desejos para o local e compilação de toda a produção para disponibilização do conteúdo.

Cada um dos turnos iniciou e concluiu seu objetivo realizando uma entrega, de modo que ao final, havia um relatório geral e uma série de relatórios com resultados parciais específicos, que foram encaminhados para as 08 equipes da etapa de propostas projetuais para a área trabalhada.

O TransLAB.URB ainda realizou duas atividades complementares à oficina, uma na noite anterior (domingo dia 28) da oficina, focada em ativação do espaço público através de arquitetura efêmera inflável (guerrilla drive-in), e a segunda, na noite intermediária (segunda-feira dia 29 e na madrugada de dia 30), focada na exploração lúdica do território trabalhado (exorcismo urbano).


TransLAB.URB ︎ Porto Alegre - RS - Brasil.
︎  ︎  ︎  ︎  ︎         oi@translaburb.cc