Dentro da lógica de sermos um laboratório de inovação social urbana, atuamos em rede compartilhada, sempre incentivando o intercâmbio de boas práticas para produzir cidades como um bem comum.
Neste sentido, buscamos criar conhecimento aberto através da validação de hipóteses que são a base de metodologias que desenvolvemos, compilamos e disponibilizamos como conhecimento aberto.

Estas metodologias estão sob a licença COPYLEFT - conhecimento Livre e Aberto.
Se aproprie das informações, use livremente, remixe, readapte e aplique na prática. Cite a autoria e não as utilize comercialmente.

Compartilhe os resultados conosco!
• COCRIAÇÃO DE DIRETRIZES PARA TERRITÓRIOS DE INTERESSE PÚBLICO

︎BAIXAR ARQUIVO

Esta metodologia vem sendo desenvolvida nos últimos 5 anos e é uma espécie de roteiro prático para ser aplicado em contextos onde uma área de interesse público está sendo discutida, e o objetivo é explorar a inteligência coletiva das pessoas de todos os setores da sociedade, visando a elaboração de uma “camada sensível” de desejos e vocações, dados que se somarão ao programa e as demais informações técnicas que serão a base do projeto.

Aqui a “metodologia base” está apresentada sob a forma de uma oficina de baixo custo e alto impacto, fazendo uso de diferentes ferramentas de aproximação, reconhecimento e percepção do território, para finalizar com dinâmicas de trabalho coletivo baseados em cocriação e participação, gerando diretrizes espaciais, de usos e programas e de auto-gestão, além de estratégias de implementação pensadas para curto, médio e longo prazos.

 

• CRIANDO COMUNIDADE PARA A HORTA 

︎BAIXAR ARQUIVO

A partir da experiência do coletivo Raiz Urbana (que atua na relação das pessoas que vivem nas cidades, com a cadeia produtiva de alimentos) com projetos de hortas coletivas em áreas privadas e públicas de terrenos em escolas, empresas e condomínios, foi possível identificar um padrão de comportamento onde a maioria das hortas tem um começo promissor, com as chamadas para mutirões de construção e plantio sempre atraindo bastante gente, mas passando essa etapa, a horta passa para um estágio de carência de equipe, justamente no momento vital de manutenção e continuidade dos cuidados com a pequena plantação.

Com a interpretação desse comportamento, o TransLAB.URB ajudou em um desenho de processo cujo foco é a geração de comunidade, propondo algumas estratégias bem simples para a identificação de parceirxs, levantamento de habilidades pré existentes e uma lógica de responsabilidades compartilhadas, para que o grupo formado em torno de um objetivo comum possa estabeler, sempre com muita autonomia e transparência, a maneira de buscar as soluções necessárias para concretizar o projeto da horta coletiva do condomínio.


• LAS TAREAS PARA ACTUAR CON PLACEMAKING / AS TAREFAS PARA ATUAR COM PLACEMAKING

︎BAIXAR ARQUIVO

No 2º Placemaking Latinoamérica - Fórum de Urbanismo Participativo, realizado na Ciudad de México em Novembro de 2018, ocorreu a 1ª edição do Curso de Capacitação em Placemaking, no qual fomos um dos ministrantes, ao lado de especialistas de diferentes países.

Na ocasição, apresentamos uma aula focada na intersecção entre o conceito da Hélice Quádrupla (sociedade formada por atores da Sociedade Civil, Academia, Setor Privado e Administração Pública) e o conceito de transformar espaços em lugares, a partir da identificação de tarefas práticas para implementar o Placemaking.